Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Meia Laranja Inteira

Halfway there...

Meia Laranja Inteira

Halfway there...

O significado dos (meus) nomes

Ontem, fui tomar café com um amigo do peito. Daqueles que estão sempre lá quando é preciso... Foi fixe e tivemos tempo para pormos a conversa em dia.
.
E lá estava eu, numa mesa de café daquelas altas, com cadeiras altas (que me fazem vertigens porque estou habituada ao meu metro e cinquenta e três), indecisa entre acabar o café ou continuar a lambuzar-me com o corneto de leite creme (é fixe, mas continuo a preferir o de chocolate, que estava esgotado)... Bem lá estava eu a falar, a falar que era sexta à noite e ia ficar em casa, que já nem me apetecia sair e que isto de ter trinta anos não era lá grande coisa. Que não encontrava ninguém que eu conseguisse aturar e vice versa e que até o meu cão me havia abandonado...
.
E no meio da converseta, o meu amigo vem-me com uma historinha do significado dos nomes... Disse que tinha visto o significado do meu primeiro nome - Sandra - e que era "a que afasta os homens". Eu aqui passei-me. Primeiro porque até pode ser um bocadinho verdade, mas só afasto aqueles que se querem aproximar demais... E segundo, porque era o que me faltava agora! E pensei - Tenho que ir confirmar isto! E fui.
.
.
Então lá procurei e encontrei:
.
«Sandra: Forma reduzida de Alessandra".»

.


Boa! Agora ainda tenho de ir ver outro... Tenho mesmo azar nestas coisas.... Mas lá fui, meia para o resignado!

.

«Alejandra, Alessandra, Alexandra: Significa defensora da humanidade e indica uma pessoa de caráter conciliador. Quem tem esse nome sempre procura resolver os problemas dos outros e conquista a todos com sua enorme meiguice.»

.

Vá lá... Nem está assim tão mau...Não sei se serei muito conciliadora, mas pelo menos, sim, é verdade que tento resolver problemas. Agora a parte de conquistar todo! Fixe! Gostei! :) (Miguel, vês como não afasto ninguém???)

.

Depois ainda fui ver o meu segundo nome. Gosto mais dele.

.

«Daniela: Significa Deus é meu juiz. E revela uma pessoa que age sem se preocupar exageradamente com a opinião dos outros. O importante para ela é estar em paz com sua própria consciência. Espirituosa e empreendedora, tem uma personalidade brilhante e cativa todo mundo.»
.
Isto sim, sou mais eu! E continuo a conquistar todos, viram? Agora sim, estou mais contente.
.
Estas coisinhas pequenas servem para passar o tempo. Não sei que credibilidade têm e eu, admito que não lhes dou nenhuma... Mas é bom não ter um nome que quer dizer "a que afasta os homens" independentemente de ser verdade ou não. =)

Esticadinha aos trinta! =)

Hoje estou contente! =)

Nem é por nada de especial... Mas estive a pensar! Que de vez em quando também faz bem activar as sinapses...

E cheguei a uma conclusão brilhante: Se com trinta anos consigo fazer a ponte, aos quarenta faço a espargata invertida!!!! Afinal isto da idade nem me está a parecer tão mau assim...


OK. Eu prometo que para a próxima publico um post mesmo a sério!

O espelho da minha casa de banho!

Hoje parei e pensei! E pensei seriamente... Sim, tá bem, dizem vocês... Mas sobre o quê? Pronto, tá bem, digo eu... eu conto.





Pensava sobre os espelhos... É que quando escolhi o mega espelho que tenho na minha casa de banho, escolhi um todo giro e quande e tudo e tudo e tudo que até tem uma bola com espelho de aumento numa parte.
Agora que penso nisso mais a sério, até me pergunto - Mas para que raio quis eu a bola de aumento? Confesso que dá mais jeito para me maquilhar... e para me desmaquilhar também...
Mas à parte isso, não vejo mais vantagens... Mas passo a enunciar as desvantagens:





1 - As imperfeições tipo aquela borbulhinha minúscula que está a começar a aparecer... naquele espelho, eu juro, parece um vulcão em plena erupção do tipo explosiva.





2 - As rídulazinhas de expressão que assomam o meu contorno dos olhos (sim, eu já sei que sou trintona, mas juro que são só ruguinhas de expressão), mas naquele espelho... Juro! parecem o Grand Canyon!!!





3 - E por último, mas não menos importante... Tenho um problema sério que é o seguinte: Não posso levar ninguém à minha casa de banho!
Imaginem uma noite a começar e um grupo de amigas a preparar-se para sair. Um corre corre para o espelho do género - Ai que gira a tua sombra bege, deixa-me experimentar! ou Fogo! Compraste a nova base da Shiseido?!? ...
E lá estou eu em frente ao espelho a cuscar com as ditas amigas enquanto elas experimentam isto ou aquilo e matraquilham as últimas novidades do pessoal, tipo cusquices de última hora, porque é sempre bom mantermo-nos a par do que vai acontecendo de novo....
Mas agora, o trauma, o horror, a verdadeira desgraça... é que todas se empoleiram em direcção à bola de espelho de aumento para se espremerem até à vermelhidão... E digo, não é uma imagem muito bonita de se ver.... E o pior de tudo é que esta imagem me atormenta até quando estou lá sozinha... Olho para aquele pedaço de espelho e penso nos pontos negros sacrificados cruelmente e sem pudor à sua e à minha frente!





E penso. Isto devia ser proibido!




E o meu LIFe que não aparece!

Hoje tomei consciência de uma coisa: Fui abandonada pelo meu cão! Argh!
Aquelas campanhas a que estamos habituados no Verão, sobre o abandono dos animais domésticos ... Eu acho que essas campanhas também deveriam ser inversas... No mundo dos cachorros, na televisão dos cachorros... deveriam passam campanhas do género : Não abandone a dona, especialmente se ela está a habituar-se ao adjectivo "trintona" e vive sozinha...
Ou então eu sou muito má e mereço! :( Acho que não é o caso!
LIFE.... Se estás a ler isto volta para casa! Ou então, Please phone home! :(

Relacionamentos



Sobre relacionamentos entre pessoas do sexo oposto...








Tenho pensado muito nisto... Não sei se devido ao facto de já ser trintona (e repito esta palavra as vezes que posso, para ver se me habituo a ela) e não ter encontrado ainda aquilo mágico sobre o que lemos nos livros entre duas pessoas. Quanto a isto, cheguei a uma conclusão:












Ou sou muito reles, ou sou muito exigente ou então não tenho sorte e pronto!












Claro que a terceira alternativa é a mais fácil de se supôr... Mas será mesmo só e apenas falta de sorte?












Claro que sou exigente e claro que também tenho os meus momentos de mau feitio... Mas tenho o direito de ser exigente, acho eu... Não gosto de pedras no sapato, não gosto de me sentir desconfortável em nenhum tipo de relacionamento, não gosto de ter sempre presente a idéia de não gostar de alguma coisa... Quanto ao mau feitio... eu até me suporto bem...eheheh












Agora mais a sério um bocadinho... (sim, é só um bocadinho!)












Tenho observado alguns tipos de relacionamentos e só a idéia de ter um desses na minha vida acaba por me causar repulsa...








Não quero uma situação de submissão - não sou assim e pronto! Nem do meu lado (credo!) nem do dele (detesto lambe botas)...




Não quero um homem que beije o chão que eu pise e que diga sempre amén comigo e que me trate como uma princesa que não sou.




Não quero um relacionamento de fachada, para ter companhia para os eventos sociais, para que toda a gente olhe e diga - que lindo casal que eles fazem!!!






Não quero uma coisa banal! Quero uma coisa, COISA! Que me arrebate, que me desenhe sorrisos nos lábios mesmo quando a fila de supermercado é monstruosa, que me derreta e me faça explodir. Mas quero também estabilidade, não sei viver sem isso.






Quero risos, sentido de humor e seriedade quando tem que ser.






Quero arrepios na pele e tremuras nos joelhos, mas também quero sentir-me segura.






Não quero amor aos pacotes tipo receita de culinária, nem quero relacionamentos fugazes só pelo facto de não suportar ausências.





Quero... sei lá! O que não quero, sei bem!...

Ser trintona e ter um cão.


Hoje pensava nessa geração dos trinta anos à qual pertenço. Não naqueles que estão bem ou mal casados, não nos que vivem em casa dos pais da qual só sairão arrastados para o altar...

Hoje pensava na minha condição de mulher independente. Nas minhas forças e nas minhas fraquezas... É muito bom ter o privilégio da liberdade de termos um espaço só nosso, de podermos fazer as refeições que queremos e como queremos, de podermos dormir ocupando a cama toda, de não termos que baixar o tampo da sanita cada vez que a queremos utilizar... É muito bom podermos sair sem justificar, chegar a casa tarde e adormecer feliz, ou chegar a casa triste e dormir amuada sem ninguém com perguntas que não queremos responder...

Mas não há bela sem senão, não é? E às vezes, só às vezes... Acabo sempre por sentir que falta algo, que o silêncio me sufoca e então lá ponho as minhas músicas que me fazem feliz - às vezes canto e danço e às vezes nem as oiço escuto sequer, apesar de continuarem a tocar. Às vezes sinto falta de dizer bom diiia! quando chego a casa e de ter alguém que escute as conversas tolas que tenho comigo.

Então numa destas vezes, decidi-me - Vou ter um cão! E foi assim que apareceu o Life na minha vida. É um cachorro de 2 meses, quase a fazer 3 que fui buscar ao canil numa sexta à tarde. Anima-me e atura-me. Abana o rabo e salta quando chego a casa. Arrebita as orelhas e entorta a cabeça quando me escuta, como se me estivesse a perceber. Acho que às vezes até me percebe... Preenche mais o meu espaço e o meu tempo. Gosto de o ter cá.

Mas há dias, como o de hoje em que me passo completamente ... Dias em que ele me destrói a casa como se estivesse possuído e eu penso - Que fiz eu a deus para merecer isto?!?

Depois conto até dez e e acalmo-me enquanto penso devagarinho por onde hei-de eu começar a arrumar o caos que se instalou. Roeu-me as cortinas, destruiu-me um vaso e um canteiro lá fora, para não falar nas calças que desfez... enfim tudo o que apanha!

E lá tento eu ver as coisas pelo lado positivo - bem pelo menos assim vais desenvolvendo a paciência...ou não!